meistudies, 6º Congresso Internacional Media Ecology and Image Studies - A consolidação dos seres media

Tamanho da fonte: 
Boca Rosa ou Bianca Andrade? O Marketing Digital e os novos olimpianos
Mariana Agreste Silva, Lisley Cruz, Mayra Regina Coimbra

Última alteração: 2023-10-31

Resumo Expandido (Entre 450 e 700 palavras)


As makes, itens que se tornaram fundamentais na necessáire de homens e mulheres, tem o intuito de empoderar, decorar e valorizar os traços de quem as usa. Historicamente, a prática de enfeitar o rosto e o corpo com substâncias coloridas remonta a uma tradição milenar. Os povos egípcios, por exemplo, faziam uso do carvão e extrato de plantas para colorir lábios e bochechas. Ao longo dos anos, as técnicas e os produtos passaram por uma evolução e foram descobertas novos ingredientes e tendências. Conforme aponta Fontana (2022), a indústria de cosméticos que conhecemos hoje se modernizou no final do séc. XIX, e a sociedade pode contar com uma ampla variedade de marcas e produtos disponíveis no mercado, de acordo com as preferências individuais. Uma dessas marcas que é destaque e que tem o coração de milhares de pessoas é a Boca Rosa Beauty, da influenciadora e empreendedora Bianca Andrade.

Em 2011, Bianca Andrade começou a fazer sucesso na internet com tutoriais próprios de maquiagens através do YouTube. Com o passar dos anos, Boca Rosa foi ganhando destaque no mercado e várias marcas a procuraram para fazer divulgações. Em 2018, a influenciadora co-criou uma linha de maquiagens com a Payot. Assim, surgiu a Boca Rosa Beuaty com uma cartela variada de produtos que vão desde base, rímel, paletas de iluminadores e contornos, corretivo, liptint, dentre outros. Em 2019, surgiu a Boca Rosa Hair em parceria com a Cadiveu cujo foco era produtos capilares. Em 2020, ela entrou no reality Big Brother e as vendas dos seus produtos triplicaram.

Boca Rosa não deixou de ser influenciadora, mas atualmente busca trabalhar com mais destaque para o seu perfil empresária. Quando começou, na fase influencer, possuía um estilo jovem, casual, sem muitas preocupações para tentar se identificar com o público e ser mais próxima. Agora, Bianca Andrade é uma mulher de negócios e que se debruça nos ideais de credibilidade, responsabilidade e força. O estilo da empresária também é bem marcante. Ela passou a fazer uso de roupas mais formais, modernas, mas sem abandonar o toque de sensualidade que sempre foi sua marca registrada.

Bianca Andrade e sua persona criada em torno do universo da beleza pode ser vista como um produto da cultura de massa. Seguindo a perspectiva de Edgar Morin (1997), a contemporaneidade adotou uma forma de produção capitalista que não mais fica restrita à alienação trabalhista, mas, que, agora, extrapola o íntimo e os lazeres daqueles que consomem. Associando essa ideia ao que foi dito por Adorno e Horkheimer (1985, p.29), “O mundo inteiro é forçado a passar pelo filtro da Indústria Cultural”, é possível perceber que para sobreviver em meio a essa esfera mercadológica, torna-se necessário adotar diversas estratégias da cultura de massas.

Em uma analogia ao Monte Olimpo, grandiosa morada dos deuses gregos, Morin (1997) relaciona os astros da modernidade às antigas divindades que tinham o poder de moldar a mente e a vida dos homens. Mas, dessa vez, para além de ser visto como um ser todo-poderoso, o olimpiano adota como tática a mescla entre divino e humano. “[…] sua dupla natureza é análoga à dupla natureza teológica do herói-deus da religião cristã: olimpianas e olimpianos são sobre-humanos no papel que eles encarnam, humanos na existência privada que eles levam” (Morin, 1997, p.106).

O público quer ser maravilhado, mas, ao mesmo tempo, quer se enxergar em seu ídolo. E é por isso que Bianca Andrade não é mais apenas a figura Boca Rosa que vive em um mundo all pink. As estratégias utilizadas pela empresária se uniram ao ideal olimpiano quando, ao perceber as necessidades do consumidor atual, houve a junção entre o espetáculo e o corriqueiro. Como parte da estratégia da blogueira, o perfil @bianca no Instagram, que conta com 19 milhões de seguidores, foca no dia-a-dia da influenciadora, maternal e trabalhadora. Dessa forma, Bianca trabalha o sincretismo, a simpatia, os campos estéticos e diversas outras características da Cultura de Massas, para alcançar o Grande Público.

Neste sentido, a pesquisa visa, por meio da análise da trajetória da influenciadora e empresária Bianca Andrade, a partir de seu perfil pessoal @bianca no Instagram, compreender quais foram e o que levou às mudanças de comportamento e estratégias adotadas para que Boca Rosa e Bianca Andrade sejam o sucesso que são em 2023.

 

Referências

Adorno, T. W., Horkheimer, M. (2006). Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Zahar.

Fontana, A. de F. (2022). Estratégias de Marketing em lançamentos no digital: uma análise do “Método Boca Rosa” [Trabalho de Conclusão de Curso de Publicidade e Propaganda, FSG Centro Universitário].

Morin, E. (2011). Cultura de massas no século XX: Neurose. Forense Universitária.

 


APRESENTAÇÃO

Palavras-chave


Olimpianos; Mitos Modernos; Boca Rosa; Cultura de Massas;

Texto completo:

PDF - pt